sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Conto - Construindo Infernos!


Viveu toda a vida com base em uma premissa simples: “A vida deve ser feita de prazeres!”. A mim, simples transmissor daquela existência, não cabe qualquer crítica moral, denunciando erros ou acertos.

Se cometeu crimes ou pecados, não me é facultado julgá-los. Se “crime” e “pecado” são rótulos efetivamente válidos para as ações às quais são afixados, que outros discutam, enquanto nossa espécie segue seu caminho pelo mundo, enquanto nossas vidas particulares seguem seus trajetos. Ele, em toda a simplicidade de sua premissa, viveu como desejou ter vivido, porém, não viveu isolado. Enquanto vivia tomava contato com os rótulos, ainda que ignorando-os:
- Meu rapaz, não faça isto.
- Procure uma vida diferente, não se entregue assim.
- Construa uma vida com mais valor.
- Onde acha que isto vai te levar?
Era isto que ouvia. Ignorava. Vivia. Pais, amigos, irmão, filhos, entre outros, procuravam restaurar sua vida aos eixos da normalidade.
Ignorava.
Seguia vivendo sua premissa.
Mergulhava em tudo o que lhe trazia prazer.
Aos quarenta e cinco anos de idade, bebeu mais do que deveria ter bebido. Dirigiu como não deveria ter feito. Bateu. Feriu-se. No relógio, 01h45 da madrugada de um sábado. Cada ação realizada tornou-se uma entidade viva. Cada rótulo de crime e pecado converteu-se em presas e garras destas entidades. Agarraram sua alma, rasgando-a, ferindo-a, queimando-a com suas línguas incandescentes. Apesar da dor descomunal, guardava algo de racional, mantinha algo do “Eu”. Apenas o suficiente para medir o tempo naquela eternidade em que mergulhara, categorizando, mensurando, cronometrando cada tipo de dor, cada nível de inferno. Cada pecado, um inferno, cada inferno, um demônio, cada demônio, um período. Tudo era mutilado e reconstruído para nova mutilação, apenas o braço direito permanecia sempre intacto. O mesmo braço que erguia a pedra e riscava a parede quando o sol daquele submundo se punha. Riscava, contava, sofria.
2555 riscos na parede marcaram sua estadia com o primeiro demônio, uma quimera com asas e três cabeças, dentre as quais uma cuspia fogo e incendiava-lhe o corpo diariamente.
2555 riscos na parede marcaram sua estadia com o segundo demônio, um enxame de vespas e moscas as quais, quando reunidas, apresentavam os contornos de uma imensa vespa. Diariamente atravessavam seu corpo com seus ferrões ardentes. Moscas botavam ovos dos quais nasciam imediatamente larvas que o devoravam até os ossos.
2555 riscos na parede marcaram sua estadia com o terceiro demônio, um homem velho, de vestes nobres, apesar do rosto desfigurado. Carregava um saco de moedas de ouro e as metia na boca do pecador, uma a uma, sufocando-o e preenchendo suas entranhas com o precioso mineral até que estourassem, derramando o tesouro pelo chão. Todo o dia, um novo corpo. Toda a tarde, novo tesouro e nova dor.
2555 riscos na parede marcaram sua estadia com o quarto demônio, uma criatura de corpo humano e calda de dragão. Trazia consigo um imenso paralelepípedo o qual punha nas costas do pecador, obrigando-o a carregá-lo dia e noite. Caia ao chão. Rasgava os joelhos. Sentia a rocha tocando-lhe diretamente os músculos e nervos das costas. Já não havia mais pele.
2555 riscos na parece marcaram sua estadia com o quinto demônio, uma criatura negra, com chifres e cauda. Ele amarrava o pecador em um rochedo, enumerava os crimes de sua vida e açoitava-o a cada crime anunciado.
2555 riscos na parece marcaram sua estadia com o sexto demônio, uma criatura marinha que o carregou para o mar. O trazia à tona e mostrava o sucesso de cada pessoa que o pecador conheceu. Depois o levava para o fundo, onde era sufocado pela água negra, enquanto minúsculas criaturas feriam-lhe olhos e ouvidos.
17885 riscos na parece marcaram sua estadia com o sétimo demônio, um belíssimo anjo, de feições perfeitas, que tocava bela música enquanto apresentava ao pecador cada uma de suas próprias conquistas. Em seguida, destruías na sua frente. No final de cada dia, devorava-lhe o rosto.
Terminadas as estadias e os sofrimentos, olhou fixamente para o fundo branco que se colocava à sua frente. Alguém de máscara segurava sua mão. O ruído da sirene ecoava em seus ouvidos. Respirou seu último trago de ar terrestre. Morreu. Seu relógio marcava 02h13 da madrugada de um sábado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário